Ô abre alas, que a agência vai entrar

Na quarta-feira, dia 4 de outubro, a maior campeã do carnaval do Rio de Janeiro e vencedora da apuração deste ano, quebrou um jejum de mais de três décadas sem título. A Portela quer rentabilizar sua tradição e samba. A Escola reunia sua diretoria e imprensa em sua sede para firmar contrato com a Saravah Branding Comunicação e Design.

A agência envolverá mais que a reformulação dos elementos visuais da Portela. A proposta é consolidar os ativos e diferenciais da escola para criar produtos, serviços e eventos e outros meios para aproximar a Portela de seus fãs e admiradores ao longo de todo o ano e não somente na época de folia.

A relação entre a Saravah e a Portela já vinha se estabelecendo há algum tempo, pois foi a agência que auxiliou a formalização do projeto “Águia do Coração”, espécie de sócio-torcedor da Escola de Samba, que reúne membros que apoiam financeiramente a agremiação. A escolha de profissionalizar mais a área de branding e marketing cresceu após a conquista do título do carnaval carioca de 2017 – “Para coroar esse ano de conquista, a escola entendeu a importância desse projeto para valorizar e potencializar ainda mais o gigantesco patrimônio imaterial da agremiação”, conta Cristiano Mansur, diretor executivo da Saravah.

O principal ativo de marca a Portela já possui: tradição, credibilidade e empatia entre o público nacional e internacional. A agência propõe tentar mapear, dentro dessas características, novas oportunidades de negócios e trabalhos de marca para incrementar o potencial de negócios da marca Portela. Faz parte da estratégia um trabalho mais apurado no ambiente on-line, aumentando o investimento em produtos licenciados. Segundo o mesmo, já existe uma empresa especializada em license, fazendo um projeto paralelo e vários embaixadores espalhados pelo Brasil e em outros países, inclusive no Japão. Essa nova estratégia de marca vai gerar infinidades de novas fontes de receita para potencializar a escola e ajudar a construir um carnaval mais deslumbrante.

Embora não seja o principal foco da agência, a Saravah pretende se envolver e colaborar para captar mais patrocinadores para a escola – “Certamente o trabalho de estratégia de marca vai ajudar nesse sentido. Afinal, uma marca ainda mais forte, tem maiores chances de atrair novos públicos, logo, também novos patrocinadores”, ressalta o publicitário.

Após firmar contrato, a primeira tarefa da agência será realizar uma pesquisa junto à diretoria, membros da comunidade e formadores de opinião a respeito dos ativos da marca para traçar novos elementos visuais e arquitetar novos projetos.

Viu? Empresas que as pessoas nem imaginam também precisam de uma boa estratégia para cuidar de sua imagem, conquista clientes e continuar a crescer.

Fonte: M&M 

Luz, iPhone, ação

Com a melhora na tecnologia, empresas de aparelhos eletrônicos estão desenvolvendo celulares cada vez mais potentes, com melhor processador, câmera e afins. Um exemplo é a Apple, em que muitos diretores de filmes testam a capacidade de captação de som e imagem para fazer filmes e curta-metragem para o mercado.

No ano de 2016 o diretor Frank Mora lançou no Brasil o primeiro filme gravado em iPhone, feito sem dinheiro público, rosto conhecido e nenhuma câmera profissional. Seu nome, “Charlote SP”, gravado com um iPhone 5 que utiliza em seu dia a dia – “Foi uma maneira que eu vi de passar por cima de editais, desse processo todo que eu não estava a fim de entrar. Queria gastar esse tempo gravando”, ele explica, ao UOL.

Seguindo na mesma linha de utilizar um iPhone para gravar, veio o filme do diretor Zack Snyder, que após uma tragédia na família, deixou nas mãos de Joss Whedon o filme “Liga da Justiça”, e que agora ele está de volta, trazendo um projeto de curta metragem que contou com a ajuda de sua família. Snyder anunciou nessa semana o curta “Snow Steam Iron”, filmado somente com o iPhone durante um final de semana. O curta é uma visão positiva do afastamento de Snyder. Filmado em um final de semana em conjunto com amigos e familiares, ele deixa claro que o trabalho foi uma forma de lidar com momento em que passava, sem gastar muito dinheiro e fazendo algo juntos. Esse material foi filmado em abril de 2017, em seu escritório em Los Angeles, na Warner Bros.

A ideia também serviu para testar algo que poderia ser feito com equipamentos simples. Apesar de seu discurso ser minimalista, foi usado mecanismos além do iPhone na “esfera Snyder” que foi criada. Na lista estão as lentes Zeiss Exolens, Kessler Pocket Dolly para tracking, DJI como microfone externo e o aplicativo FiLMic, para configurações gerais da câmera.

No curta, é possível observar o estilo de Snyder, com recortes, ângulos e trilha sonora: tudo que o diretor ainda tem como marca no universo DC e com o que assina em seus trabalhos. Independente do orçamento, o “efeito visual” Snyder continua intacto.

Confira o trailer do curta ”Snow Steam Iron”:

 

O curta metragem tem quatro minutos e pode ser visto baixando o aplicativo VERO, que ainda não é muito explorado mas promete melhorar o compartilhamento do que o usuário gosta, com que ele gosta. Com um slogan “True Social”, está no mercado há um tempo e tem o Snyder como embaixador.

Portanto, fazer filmes hoje em dia está mais acessível, a um clique de um smartphone na palma da mão é possível, basta ter conhecimentos e técnicas de filmagem para que tudo saia conforme o roteiro.

Fontes:
B9
Uol

Realidade virtual automobilística

Depois que a tecnologia VR surgiu muitas empresas investiram na realidade virtual para lançar seus produtos. Ela é uma tecnologia de interface capaz de “enganar” os sentidos do usuário, que através do sistema computacional, efeitos visuais, sonoros e táteis, simula um ambiente virtual.

Dos vídeos à games de realidade virtual, a Honda traz pela primeira vez a tecnologia para a indústria automobilística. Para essa ação o Samsung VR é um elemento chave para trazer mais realidade à sua experiência. (mais…)